Início Economia Oakberry busca R$ 100 milhões para dar energia à expansão internacional

Oakberry busca R$ 100 milhões para dar energia à expansão internacional

Recursos serão usados para acelerar internacionalização da rede de açaí, que vai crescer mais de seis vezes o números de lojas em 2021. O fundador Georgios Frangulis explica os planos ao NeoFeed

No começo deste ano, a rede de de açaí Oakberry contava com 28 unidades fora do País. Agora, são 78. E até o fim deste ano, o plano é inaugurar mais 62, quando chegará a 140 lojas, um crescimento de mais de seis vezes. Em 2022, 110 unidades já estão “vendidas.”

Para acelerar o plano de levar o açaí para o mundo, a Oakberry está concluindo uma captação de R$ 100 milhões. Os recursos vão ser usados também para abrir lojas próprias e para que a rede comece a ter mais controle de seu processo de produção e logístico, hoje todo terceirizado, diz Georgios Frangulis, fundador e CEO da rede, com exclusividade ao NeoFeed.

A captação, no entanto, segue um roteiro diferente do formato padrão do mercado e não envolve nenhum fundo de private equity. A Oakberry  contratou o BTG Pactual que modelou o negócio por meio de um FIP (Fundo de Investimento em Participações) específico para a companhia. A Kilima e a Monte Bravo, agora, estão concluindo a captação. “Falta pouco”, afirma Frangulis.

Os novos investidores vão se somar aos atuais sócios. Entre eles a holding SMZTO, do empresário José Carlos Semenzato, o ex-piloto de Fórmula 1 Felipe Massa e o tenista Bruno Soares. “Conseguimos crescer, até agora, sem captar”, afirma Frangulis, que é piloto da Porsche Cup. “Agora, vamos acelerar.”

Até o fim do ano, serão abertas 19 unidades na Austrália, 13 nos Estados Unidos, 9 nos Emirados Árabes e 5 na Espanha. Países como Portugal, Malta, Paraguai, Kuwait, México e Bahrein receberão também as lojas da Oakberry. Atualmente, a rede já está presente em 20 países, como China, Croácia, Grécia e Israel, e quatro continentes.

A expansão tem sido feita através de master franqueados, grupos que “compram” o direito de expandir a marca em uma determinada região, como o McDonald´s fez na América Latina com a Arcos Dourados e o Burger King com a BK no Brasil.

A previsão é que as lojas internacionais terminem o ano de 2021 com um faturamento maior do que as brasileiras. Dos R$ 280 milhões que pretende faturar neste ano, R$ 150 milhões serão dos negócios fora do Brasil. No longo prazo, o fundador da Oakberry acredita que a operação internacional será maior do que a brasileira em uma proporção de 70% a 30%.

“A Oakberry está apostando em uma fórmula pouco usual: a regra do jogo é começar a expansão pelo Brasil”, afirma Eduardo Yamashita, diretor de operações do Grupo GS& Gouvêa de Souza. “Eles estão fazendo os dois movimentos ao mesmo tempo. É uma estratégia ambiciosa.”

Yamashita lembra que a operação internacional tem receita em moeda forte, assim como os custos. E que, para fazer sentido, o negócio precisa escalar rápido. “Há o desafio de controlar a gestão”, diz Yamashita. “O gerenciamento é sempre mais complexo.”

Georgios Frangulis, fundador da Oakberry

Os planos internacionais sempre estiveram na origem da Oakberry. Na verdade, Frangulis tentou abrir o negócio nos Estados Unidos, quando morava em Santa Barbara. Na época, observou uma tendência por produtos naturais. Foi então que resolveu unir conceitos do fast food, como rapidez e padronização, com um alimento saudável, o açaí. “Sempre pensei o negócio como internacional”, diz.

Mas Frangulis não conseguiu tirar o negócio do papel nos Estados Unidos. Ele voltou ao Brasil e com seu amigo Renato Haidar abriu a Oakberry como um pequeno quiosque no Shopping Cidade de São Paulo, na Avenida Paulista, em São Paulo, no fim de 2016.

A escolha do açaí foi porque Frangulis queria algo saudável. Mas o fato de a fruta ser tipicamente brasileira – só é encontrada no Norte do País – e de ser um alimento rico em proteínas, gordura vegetal, vitaminas (B1, C e E), minerais e fibras dá à Oakberry uma marca que tem a cara do Brasil.

“As marcas que exploram a brasilidade têm um desempenho internacional melhor”, diz Yamashita, da GS& Gouvêa de Souza “E a Oakberry tem feito um trabalho de contar sua história e de explorar a saudabilidade do açaí. Isso ajuda a reforçar a marca e a descommoditizar o produto.”

A aposta internacional, no entanto, não significa que a Oakberry vai deixar de avançar no Brasil. Frangulis acredita que a rede está concentrada no Sudeste e que há espaço para crescer para outras regiões do Brasil, onde já conta com 351 unidades. “Temos condições de ter mais de 700 unidades nos próximos quatro anos”, afirma o empreendedor.

No Brasil, as franquias, principal modelo da Oakberry, começam com um custo a partir de R$ 165 mil. No exterior, o valor parte de US$ 85 mil. As lojas vão desde quiosques com 6 metros quadrados até lojas com 150 metros quadrados.

Delivery próprio

A Oakberry está investindo também em um delivery próprio, depois de ver a demanda pelas entregas crescer com a pandemia – no auge, no ano passado, o formato chegou a representar quase 70% da receita da companhia. Hoje, está na casa dos 35%.

A rede está fazendo testes na cidade de São Paulo. Para isso, fechou uma parceria com a empresa de logística Jet para ter sua “própria frota” de motoboys e desenvolveu um aplicativo para receber os pedidos.

Apesar de reconhecer que as taxas de serviços como Rappi, iFood e Uber Eats são altas, Frangulis não vê nisso a principal motivação para investir em seu próprio delivery.

“O maior valor não é a margem, mas sim ter contato direto com o cliente”, afirma Frangulis. “Toda a informação ficava com a plataforma de terceiros. É importante sabermos quem é o cliente, onde ele está, o que ele pede e a que horas.”

Apesar disso, a Oakberry vai manter os pedidos por aplicativos de iFood e Rappi. “Ainda precisamos deles, por conta da capilaridade, mas a nossa ideia é começar a criar um vínculo maior com o público consumidor de produtos por delivery.”

Assim como a Oakberry, outras empresas da área de alimentação estão tentando reduzir a dependência de iFood e Rappi. São os casos de McDonald’s, Domino’s, Outback, Giraffas, Rei do Mate, Spoleto e Bob’s, entre outros nomes, que criaram o Quiq.

A operação tem ainda como sócio o fundador da GetNet, José Renato Hopf, e se define como um SaaS para ajudar esses restaurantes a resolver problemas operacionais e logísticas do delivery.

Fonte: NeoFeed

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Populares

Sancionada lei que autoriza uso da reforma do IR como fonte para Auxílio Brasil

Lançamento do aplicativo CAIXA|Auxílio Emergencial O presidente Jair Bolsonaro sancionou com vetos o projeto de lei que autoriza...

Rita Lee ganha exposição histórica no MIS SP

Mostra acontece no segundo semestre de 2021 e reúne lembranças guardadas pela artista ao longo dos seus...

Presidente diz que determinará redução da bandeira tarifária na luz

Declaração foi dada durante evento evangélico em Brasília Por Pedro Rafael Vilela - O...

Conheça a história das 7 maravilhas de origem portuguesa no mundo

Em junho de 2009, eram anunciados em Portugal, após uma sequência de shows que incluiu a brasileira...