Início Internacional EUA espionou Merkel e seus aliados europeus com ajuda de dinamarqueses (imprensa)

EUA espionou Merkel e seus aliados europeus com ajuda de dinamarqueses (imprensa)

Os Estados Unidos espionaram políticos na Europa, inclusive a chanceler alemã, Angela Merkel, de 2012 a 2014, com a ajuda dos serviços de Inteligência dinamarqueses, noticiaram neste domingo (30) vários veículos de comunicação dinamarqueses e europeus.

A TV pública dinamarquesa Danmarks Radio (DR) afirma que a Agência de Segurança Nacional (NSA) americana se conectou a cabos de telecomunicações dinamarqueses para espionar altos funcionários de Alemanha, Suécia, Noruega e França.

Para fazê-lo, a NSA aproveitou uma cooperação de vigilância que tinha com os serviços de Inteligência militares dinamarqueses FE.

A DR revelou a informação após uma investigação realizada em conjunto com a emissora sueca SVT, a norueguesa NRK, as alemãs NDR e WDR e os jornais alemão Suddeutsche Zeitung e o francês Le Monde.

A ministra dinamarquesa da Defesa, Trine Bramsen, nomeada em junho de 2019, foi informada sobre o caso em agosto de 2020, segundo a DR.

Consultado pela AFP, o Ministério da Defesa dinamarquês não reagiu, mas Bramsen declarou à DR que “a espionagem sistemática por parte de aliados é inaceitável”.

Não foi demonstrado que a Dinamarca estivesse a par de que os Estados Unidos usaram seu sistema de vigilância para espionar seus vizinhos.

Angela Merkel, o então ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, e o então líder da oposição, Peer Steinbruck, estão entre as pessoas espionadas pela NSA, segundo a DR.

A NSA teve acesso a mensagens de texto, chamadas telefônicas e uso da Internet, inclusive as buscas, os chats e os serviços de mensagem instantânea, segundo a DR.

A espionagem da NSA consta de um relatório interno da FE com o nome de “Operação Dunhammer” e foi apresentado à direção da FE em maio de 2015, segundo a TV pública dinamarquesa.

A DR afirma ter confirmado a informação através de nove fontes que tinham acesso à informação sigilosa da FE, e garante que suas revelações foram confirmadas por outras fontes independentemente.

Nem a FE, nem seu então diretor, Lars Findsen, comentaram a informação.

Este caso de espionagem, se confirmado, ocorreu durante e depois o caso Snowden, em 2013. Este funcionário da NSA revelou a existência de um sistema de vigilância global das comunicações e da Internet contra, sobretudo, os alemães e em particular o telefone celular da chanceler.

Em novembro de 2020, a RD já tinha informado que os Estados Unidos usaram cabos dinamarqueses para espionar as indústrias de defesa dinamarquesas e europeias de 2012 a 2015.

Fonte: IstoéDinheiro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Populares

Startup acelerada pelo SoftBank avança na América Latina e mira Brasil

A startup mexicana Kavak, que atua no mercado de venda de carros usados, faz sua primeira expansão na América Latina com a...

Huck se encontra com Leite para discutir aliança eleitoral em 2022 entre autores de manifesto

JOELMIR TAVARES - O apresentador Luciano Huck (sem partido) e o governador do Rio Grande do Sul,...

WIN, a tacada do BTG no futebol

A holding que controla o BTG Pactual e o empresário Claudio Pracownik estão se unindo para criar...

O furacão Katrina

O furacão, batizado como Katrina, começou a se formar, como uma zona de baixa pressão ao norte...