Tecnologia
Quinta-feira, 20 de junho de 2024

X atualiza regras e formaliza permissão de conteúdos pornográficos na plataforma

A rede social X, antigo Twitter, atualizou as regras de uso da plataforma para permitir oficialmente a divulgação de conteúdo adulto e gráfico.

O conteúdo adulto e a nudez estão presentes nessa rede há anos e – ao contrário do Facebook ou do Instagram – nunca foram explicitamente proibidos, mesmo antes da aquisição por Elon Musk no final de 2022.

As novas diretrizes, divulgadas pela primeira vez pelo TechCrunch nesta segunda-feira (3), permitem explicitamente que os usuários compartilhem conteúdo adulto “desde que seja produzido e distribuído consensualmente”.

O X atualizou as diretrizes no último final de semana, declarando que “a expressão sexual, visual ou escrita, pode ser uma forma legítima de expressão artística”.

De acordo com a nova política, a publicação de conteúdo adulto está formalmente dentro das regras, desde que seja rotulado e não seja exibido com destaque, como em fotos de perfil ou banners de conta.

As contas que publicam regularmente esse tipo de conteúdo deverão marcar automaticamente suas publicações de imagens e vídeos como conteúdo sensível.

Os posts adultos serão proibidos para usuários identificados como crianças ou usuários adultos que optarem por não visualizá-lo. A política se estende a conteúdos gerados por IA, animações, desenhos animados, hentai e anime.

A equipe de segurança do X escreveu na própria rede que as novas diretrizes “trariam mais clareza às regras e transparência na aplicação dessas áreas”.

Desde que adquiriu o Twitter em 2022, com a intenção declarada de promover a liberdade de expressão, Musk enfrentou críticas por reduzir as equipes de moderação de conteúdo.

Assumindo a responsabilidade pelo ato, a plataforma também passou por problemas técnicos e restabeleceu contas de teóricos da conspiração de direita e do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Musk também pretende expandir a base de receita do X para além da publicidade e transformá-lo em um “super aplicativo”, semelhante ao WeChat da China, que integra serviços de mensagens, chamadas de voz e vídeo, redes socias, pagamentos móveis e reservas.

Fonte: AFP