Negócios
Sábado, 18 de maio de 2024

Mago de marketing do copo Stanley já tem seu próximo projeto: os calçados Heydude

Liderança no marketing dos tamancos de borracha tornou esse produto um item essencial para a Geração Z

Terence Reilly pode não ser um nome muito conhecido, mas ele desempenhou um papel importante na transformação de um produto que provavelmente já existe em sua casa em um fenômeno nacional.

Reilly é reconhecido por tornar o copo Stanley um item obrigatório. Agora, ele está deixando a Stanley e tentará replicar sua mágica com outra marca, que já tem um apelo relativamente alto entre os consumidores, os calçados Heydude.

Essa é uma espécie de retorno para Reilly. A Crocs é a proprietária da marca Heydude, e foi dela que ele foi recrutado pela Stanley. Sua liderança no marketing dos tamancos de borracha tornou esse produto um item essencial para a Geração Z e outros por um tempo, com forte influência de influenciadores sociais. Ele assumirá o cargo de presidente da Heydude, sucedendo a Rick Blackshaw, que deixou a empresa no início desta semana.

“Estamos empolgados por receber Terence de volta à família Crocs, Inc.”, disse Andrew Rees, CEO da Crocs, em comunicado. “Terence fez muito sucesso na criação e execução das estratégias de construção de marca, tanto na Stanley quanto na Crocs, alavancando produtos icônicos, aumentando o reconhecimento, impulsionando a relevância da marca e, por fim, construindo comunidades… Estou confiante de que ele é a pessoa certa para liderar a marca Heydude em sua próxima fase de crescimento.”

Os calçados Heydude, conhecidos por serem leves e confortáveis, embora longe de serem considerados chiques, têm seguidores entre alguns adolescentes. No entanto, a marca não decolou como a Crocs esperava quando a adquiriu em 2021. Ano passado, as vendas da empresa registraram um crescimento de 6%, menos da metade dos 13% da Crocs no mesmo período.

Em uma teleconferência de resultados em fevereiro, Rees reconheceu que a empresa havia saturado o mercado com calçados Heydude no final de 2022 e início de 2023. Apesar disso, a fixação de marca atingiu apenas 32%, o que Rees considera “aquém das expectativas para marcas globais”.

Fonte: InfoMoney