Economia
Quarta-feira, 24 de abril de 2024

PIB registra alta de 0,4% no 3º trimestre com ajuda de serviços e indústria

Com resultado, economia brasileira chega ao maior patamar da série histórica, iniciada em 1996

economia brasileira registrou crescimento de 0,4% no terceiro trimestre de 2022 em comparação com o período imediatamente anterior, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta-feira (1º). O resultado do trimestre é o quinto positivo seguido após o recuo de 0,3% de abril a junho do ano passado.

Em relação ao terceiro trimestre de 2021, a alta foi de 3,6%. Com esse resultado, o PIB (Produto Interno Bruto) chega ao maior patamar da série histórica, iniciada em 1996, e fica 4,5% acima do patamar pré-pandemia, registrado no quarto trimestre de 2019.

O resultado veio um pouco abaixo da mediana das expectativas do mercado, que apontava para uma alta de 0,7% na comparação mensal e de 3,7%, na anual, segundo pesquisa da Reuters.

Em valores correntes, o PIB, soma dos bens e serviços finais produzidos no país, totalizou R$ 2,544 trilhões no terceiro trimestre.

No terceiro trimestre, a variação positiva foi influenciada pelos resultados dos serviços (1,1%) e da indústria (0,8%), enquanto a Agropecuária recuou 0,9%, diz o IBGE em nota.

Serviços

Responsável por cerca de 70% da economia, o setor de serviços teve como destaques informação e comunicação (3,6%), com a alta dos serviços de desenvolvimento de software e internet, atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (1,5%) e atividades imobiliárias (1,4%).

O segmento Outras atividades de serviços (1,4%), que representa cerca de 23% do total de serviços e inclui, por exemplo, alojamento e alimentação, também cresceu, diz o IBGE.

“As outras atividades de serviços já vêm se recuperando há algum tempo, com a retomada de serviços presenciais que tinham demanda represada durante a pandemia”, explica a coordenadora de contas nacionais do IBGE, Rebeca Palis, em nota.

Comércio foi o único segmento de serviços a apresentar taxa negativa no terceiro trimestre, com recuo de 0,1%. “Esse é um cenário que já vínhamos observando na Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), do IBGE. O resultado reflete a realocação do consumo das famílias dos bens para os serviços”, diz a especialista.

Construção avança 1,1%

Uma das atividades da indústria, a construção avançou 1,1% no período.  “Essa atividade já vinha crescendo há quatro trimestres e segue aumentando, inclusive em ocupação”, diz Palis.

“Outro destaque do setor é eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (0,6%), beneficiadas pela redução da energia termoelétrica”, diz.

Consumo das famílias cresce 4,6% no ano

O consumo das famílias cresceu pelo sexto trimestre consecutivo, com alta de 4,6% em relação ao terceiro trimestre de 2021.

Segundo a especialista do IBGE, “esse crescimento está relacionado aos resultados positivos do mercado de trabalho, em relação ao rendimento e à ocupação, aos auxílios governamentais, como o Auxílio Brasil, Auxílio Taxista e o Auxílio Caminhoneiro, às políticas de desoneração fiscal e a uma inflação mais recuada, mesmo que ainda esteja alta”.

No mesmo período, o consumo do governo cresceu 1%.

Também na ótica da demanda, os investimentos cresceram 5%, influenciados pela alta da construção, do desenvolvimento de softwares e também da produção e importação de bens de capital, diz o IBGE.

Fonte: CNN