Cultura
Sábado, 18 de maio de 2024

Brincando com Fogo Brasil promete intensidade e envolvimento

O reality anti-pegação Brincando com Fogo (Netflix) ganha sua versão brasileira, que promete ser mais intensa e envolvente. É o que afirma a humorista curitibana Bruna Louise, que irá narrar os episódios ao longo da temporada. “O Brasil não tem igual”, diz ela.
“O pessoal da gringa não sabe o que é Carnaval, micareta ou sair beijando 17 pessoas em uma noite, brasileiro é outra vibe”, afirma Louise.
Na versão brasileira, que chega ao streaming em duas partes, a primeira na próxima quarta-feira (21) e a segunda dia 28 de junho, dez participantes concorrem ao prêmio final de R$ 500 mil –o valor, no entanto, vai diminuindo a cada ato sexual concretizado.
As infrações são contabilizadas por Lana, um dispositivo de inteligência artificial em formato de cone que aparece para dar boas e más notícias. Em entrevista recente à reportagem, a criadora da série, Laura Gibson, contou que a anfitriã era perfeita para o reality, já que “pode estar em todos os lugares e ver tudo o que está acontecendo.”
Para a humorista, um dos trunfos da série é dar espaço a atitudes que representam a liberdade e o empoderamento feminino. “Fiquei feliz com isso desde o começo, elas são livres”, diz Louise.
De acordo com a produção, Brincando com Fogo quer mostrar ao público e aos participantes a importância de se construir relações profundas. A humorista comenta que muita gente mudou no meio do caminho. “Tem uma galera que se apega, sim. Objetivo cumprido!”
A série promete, ainda, reviravoltas e surpresas. Ao longo dos episódios, novos participantes vão se juntando ao elenco, justamente para desestabilizar os relacionamentos que estavam se formando. “Sempre chacoalha”, antecipa.
Louise conta que também se identificou com os participantes e revela que ficou chocada quando soube que seria narradora do programa. Acostumada a trabalhar com shows de stand-up, ela diz que essa foi sua primeira experiência com narração –e afirma que teve total liberdade para fazer piadas. “Essa versão está incrível. É engraçada e envolvente.”
A humorista diz, ainda, que o programa vai discutir temas que ainda são tabu na sociedade, a partir de apresentações de sexólogos e psicólogos. “Isso atua principalmente para a desconstrução”, pontua.
A série brasileira tem produção da Fremantle, em parceria com a Mixer Films, representante da produtora no país. Inspirada em uma conversa no Tinder e na série “Seinfeld” (1989), a versão original do programa ganhou sua segunda temporada em junho.

Fonte: FolhaPress