Início Política Fundos imobiliários: mudança de índice à força preocupa setor

Fundos imobiliários: mudança de índice à força preocupa setor

Um projeto de lei que propõe limitar o reajuste dos aluguéis à variação do IPCA — eliminando o IGP-M como indexador dos contratos — está causando tensão entre gestores de fundos imobiliários.

Se virar lei, o projeto deve criar uma insegurança jurídica gigantesca no mercado imobiliário e gerar um desequilíbrio nos contratos de longo prazo — afastando investidores e colocando em risco o desenvolvimento do setor.

O PL 1026/2021 — que tramita na CCJ da Câmara e ganhou a alcunha de ‘PL do IPCA’ — é uma tentativa de proteger os inquilinos depois que o IGP-M subiu 32% nos últimos doze meses.

“O problema dos legisladores é que eles estão olhando na superfície e não entendem como esse mercado funciona,” diz Adriano Sartori, que é vice-presidente da Secovi e da CBRE Brasil, uma das maiores consultorias internacionais do setor imobiliário.

“Tem empresas que contraíram dívidas de longo prazo em IGP-M porque sua receita também era corrigida pela IGP-M. Se essa receita passar a ser corrigida pelo IPCA, isso gera um descasamento que pode quebrar a empresa.”

Segundo ele, a medida não faz sentido dado que — na prática — os contratos NÃO estão sendo reajustados pelo IGP-M. Com a pandemia, boa parte dos proprietários tem aceitado negociar os reajustes para não perder inquilinos num momento sensível para o setor.

“Estamos voltando para a época do tabelamento, do congelamento de preços… E essa insegurança jurídica vai afastar muitos investimentos,” diz Adriano.

Além do PL em tramitação na Câmara, na tarde desta terça-feira o senador Weverton Rocha, do PDT do Maranhão, tentou incluir a regra do IPCA dentro do ‘PL do Despejo’, que já foi aprovado na Câmara e está para ser votada no Senado.

O PL proíbe o despejo de inquilinos por liminar, obrigando o proprietário a esperar o trânsito em julgado da ação de despejo antes de colocar o inquilino para fora do imóvel — o que pode demorar anos.

A ideia do senador maranhense: tentar aprovar as duas medidas numa tacada só.

“Eles acham que estão regulando um mercado onde há um desequilíbrio de forças — é o proprietário rico de um lado e o inquilino pobre do outro — mas isso está longe de ser verdade em boa parte dos casos,” diz o gestor de um fundo imobiliário. “Estão querendo criar uma regra uniforme, mas o mercado comporta diversos tipos de relações.”

Outro gestor de FIIs lembrou que, na prática, muitos proprietários de imóveis já estão trocando o IGP-M pelo IPCA de forma espontânea, já que o IGP-M de fato é mais volátil e, em prazos longos, os dois índices acabam convergindo.

“Mas não faz o menor sentido o governo tentar intervir numa relação privada.”

Segundo esse gestor, uma das maiores implicações da mudança será para a indústria de CRIs — um mercado que movimentou mais de R$ 35 bilhões em novas emissões só nos últimos dois anos.

Esses títulos muitas vezes são lastreados no fluxo de aluguéis e corrigidos pelo IGP-M. Se o governo obrigar os proprietários a mudar o indexador, isso pode gerar um risco de descasamento entre o lastro e o que o título paga.

“Imagina uma empresa de shoppings que corrige os aluguéis dos lojistas pelo IGP-M e securitizou esses recebíveis num CRI, que depois foi vendido para investidores com uma correção de IGP-M + 5%,” diz o gestor. “Se o governo decidir que esses aluguéis agora têm que ser corrigidos pelo IPCA, o CRI vai ter que remunerar o investidor com um valor bem mais alto do que os shoppings vão conseguir corrigir os aluguéis.”

Para milhares de aposentados, um imóvel é fonte de renda ou ‘investimento seguro’. Mas no Brasil, a regra sempre pode mudar no meio do jogo.

Fonte: Brazil Journal

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Populares

Startup acelerada pelo SoftBank avança na América Latina e mira Brasil

A startup mexicana Kavak, que atua no mercado de venda de carros usados, faz sua primeira expansão na América Latina com a...

Huck se encontra com Leite para discutir aliança eleitoral em 2022 entre autores de manifesto

JOELMIR TAVARES - O apresentador Luciano Huck (sem partido) e o governador do Rio Grande do Sul,...

WIN, a tacada do BTG no futebol

A holding que controla o BTG Pactual e o empresário Claudio Pracownik estão se unindo para criar...

O furacão Katrina

O furacão, batizado como Katrina, começou a se formar, como uma zona de baixa pressão ao norte...