Início Economia Startups transformam ações, imóveis e créditos de carbono em ativos digitais

Startups transformam ações, imóveis e créditos de carbono em ativos digitais

FILIPE OLIVEIRA –

Nem só dos altos e baixos das criptomoedas e das vendas de NFTs (tokens não fungíveis, certificado de propriedade de ativo digital) de memes e obras de arte virtuais por valores astronômicos vivem os empreendedores da blockchain, a rede descentralizada para registro de dados que serve de estrutura para transações desses itens.
Uma série de startups começam a colocar na rede créditos de carbono, participações acionárias em empresas e até pedaços de imóveis.
O que essas novas companhias fazem é transformar tudo isso em tokens, ativos que circulam na rede e podem conter informações de origem, direitos que dão a seu proprietário e regras para uso.
Os empresários defendem a utilização do blockchain como instrumento para dar confiabilidade para as transações, pois o registro delas é imutável, e também agilidade aos negócios, que passam a ser feitos diretamente entre os usuários, com menos intermediários.
A startup Moss, por exemplo, já comprou e inseriu na rede no formato de tokens US$ 13 milhões em créditos de carbono desde 2020, diz Luiz Felipe Adaime, sócio da empresa.
Cada crédito de carbono equivale à compensação de uma tonelada de CO emitido na atmosfera e a um token.
Os tokens da Moss são revendidos para companhias e pessoas físicas, que podem gastá-los para compensar sua pegada de carbono ou vendê-los na blockchain, a partir de uma corretora, onde seus preços variam conforme oferta e demanda.
Adaime diz que a companhia busca desenvolver uma Bolsa para esses créditos, que, antes, tinham sua venda pouco padronizada: “Quem queria comprar créditos ligava para um corretor, que depois telefonava para um projeto de conservação ambiental para verificar o preço”, afirma.
Na Polen, startup que oferece serviço de gestão dos resíduos para outras empresas, o token criado representa um valor em lixo reciclado. A startup atua em parceria com empresas de reciclagem, auditando o processo para comprovar a retirada do lixo de circulação e emitindo ativos digitais que correspondem ao volume de material reciclado.
Renato Paquet, sócio da Polen, diz que as empresas podem então comprar os tokens de sua startup como alternativa a fazer a reciclagem por conta própria e assim cumprir com a legislação sobre logística reversa de embalagens.
Segundo Paquet, a vantagem de usar o blockchain para registrar o volume reciclado é a facilidade de o comprador ter informações rastreáveis da origem do crédito e a impossibilidade de um mesmo documento ser duplicado e vendido para mais de uma companhia.
Neste ano, a startup Liqi tornou suas próprias ações tokens para captar dinheiro e expandir seu negócio, justamente de tokenização de ativos. A companhia captou R$ 3 milhões de sete investidores em uma operação fechada apenas para o grupo.
Daniel Coquieri, sócio da startup, diz que esse tipo de token traz embutido um contrato que garante ao comprador o pagamento de dividendos e remuneração caso a empresa seja vendida no futuro.
Em maio, a companhia anunciou acordo com o Cruzeiro para criar outro tipo de token, que, vendido a R$ 25, dá direito aos donos do ativo digital de ficar com uma fração do ganho que o time tem quando um jogador revelado por ele e que já está em outro clube é alvo de nova transação. Quem fizer esse investimento para financiar o clube também pode lucrar revendendo o token em corretoras de criptomoedas.
Outra possibilidade é vender tokens para antecipar uma renda futura de aluguel. No caso, investidores antecipam o valor que o dono do imóvel tem a receber nos meses seguintes em troca do pagamento com juros resultantes da operação. A ideia é que o crédito fique mais barato para quem precisa do que nos bancos e haja novas opções de investimento para quem quer aplicar, diz Coquieri, que vendeu a corretora de criptomoedas BitcoinTrade, fundada por ele, para a empresa argentina Ripio na virada do ano.
O segmento imobiliário é um dos que recebem mais atenção do mercado.
Em maio, a Netspaces começou a digitalizar suas primeiras propriedades no Rio Grande do Sul. O processo, no caso da startup, significa adicionar nas escrituras tradicionais, que seguem arquivadas em cartório, um código registrado no blockchain.
Quando alguém usa esse código em uma consulta na rede, recebe a informação de quem tem a propriedade do imóvel em questão.
Andreas Blazoudakis, sócio da empresa e conhecido por ser um dos fundadores da Movile, holding dona do iFood, diz que o objetivo é permitir que a comercialização de imóveis passe a ser mais parecida com a compra de outros itens online. Ele classifica seu negócio como mistura de startup do mercado imobiliário com empresa do ramo jurídico, por buscar soluções para inserir o blockchain dentro das regras atuais.
Segundo Blazoudakis, com o blockchain, a transferência de propriedade pode ser feita a qualquer momento, de maneira imediata, reduzindo tempo com busca de certidões.
Para evitar fraudes, a empresa exige que a transferência seja sempre confirmada digitalmente por duas testemunhas escolhidas pelo dono da propriedade.
“É uma trava, para ninguém nunca acordar de manhã e dizer que foi hackeado.”
Outra possibilidade criada pelo blockchain, diz Blazoudakis, é a de comprar e vender frações dos imóveis. No formato, o comprador poderia, por exemplo, dar R$ 100 mil em um apartamento de R$ 500 mil e alugar o resto. O fracionamento também serviria para quem prefere investir em pedaços de dez apartamentos em vez de comprar um só ou investir num fundo imobiliário, diz.
O empresário diz que não há o objetivo de que sua plataforma sirva à especulação. “Vemos gente tentando fazer tokenização no anseio de vender nas corretoras um imóvel para um russo, um croata. Mas não é assim que funciona.”
A incorporadora RMK Engenharia testa outra estratégia nesse mercado: a venda de tokens que dão direito a uma renda mensal por prazo determinado aos compradores.
Foram lançados 30 mil deles em maio, no segundo teste da empresa, a R$ 100 cada um. A ideia é que o valor da venda desses ativos seja usado para financiar obras, diz Rodrigo Junqueira, diretor financeiro da empresa.

Fonte: FolhaPress

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Populares

Startup acelerada pelo SoftBank avança na América Latina e mira Brasil

A startup mexicana Kavak, que atua no mercado de venda de carros usados, faz sua primeira expansão na América Latina com a...

Huck se encontra com Leite para discutir aliança eleitoral em 2022 entre autores de manifesto

JOELMIR TAVARES - O apresentador Luciano Huck (sem partido) e o governador do Rio Grande do Sul,...

WIN, a tacada do BTG no futebol

A holding que controla o BTG Pactual e o empresário Claudio Pracownik estão se unindo para criar...

O furacão Katrina

O furacão, batizado como Katrina, começou a se formar, como uma zona de baixa pressão ao norte...