Cultura
Sábado, 18 de maio de 2024

Trombonista mistura gospel, jazz e erudito em seu 1º álbum

CARLOS BOZZO JUNIOR
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Joabe de Freitas Reis, de 29 anos, nasceu em Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo, e trabalha com música desde a adolescência.
Versátil, já acompanhou artistas de diferentes gêneros, como Anitta, Toninho Horta, Nelson Ayres e Ivan Lins.
O trombonista iniciou seus estudos musicais na igreja Assembleia de Deus, na cidade onde nasceu. Lá, ele teve aulas de teoria musical. “Em paralelo à igreja, comecei a ter aulas na banda da cidade, a Banda Lira de Ouro”, ele conta.
Em 2006, ele se mudou para Vitória, onde ingressou no curso livre da Faculdade de Música do Espírito Santo e entrou na orquestra Pop & Jazz. “O maestro Célio de Paula me ensinou harmonia e me apresentou o jazz e suas vertentes”, lembra o artista.
Reis conta que se iniciou no trombone para tapar buraco. Antes de chegar ao instrumento, o músico passou pelo sax horn –que tocou por seis meses– e pelo bombardino.
“Por necessidade da banda, o maestro me passou para o trombone e assim começou a minha trajetória nesse instrumento”, afirma Reis.
A infância e a adolescência frequentando a igreja evangélica –onde ele teve contato com a banda marcial e discos tradicionais de música gospel, tocou no grupo de jovens (de repertório mais pop) e frequentou ensaios do coral com a mãe– influenciaram o trombonista, compositor e arranjador capixaba até hoje.
Ele diz que é impossível não se lembrar das melodias e harmonias dos hinos da harpa da adolescência quando trabalha numa composição.
A temática religiosa está presente no álbum “Crew in Church”, o primeiro de Joabe Reis. “‘In Pursuit of U’ é a faixa nove do meu álbum, e o nome já diz tudo, Em busca de você”, afirma o trombonista. “Em busca dessa paz, que está além dos céus, para onde vou todas as vezes que pego o meu trombone para tocar.”
“In Pursuit of U” é uma regravação que Joabe Reis afirma ter decidido fazer porque a original tinha uma instrumentação eletrônica, programações e beat. “É de um grande pianista norte-americano, Kiefer. Ele adorou e me disse ‘isso é exatamente como eu pensei ao vivo.'”
O trombonista define “Crew in Church” como música urbana. “É um mix de todo tipo de música que você encontra num domingo na [avenida] Paulista ou na Sala São Paulo.”
O objetivo, diz o músico, foi tocar o jazz de uma forma mais dançante, sem perder as complexidades harmônicas encontradas nos solos individuais dos instrumentistas.
Além dele, participam do show do “Crew In Church”, nesta semana, em São Paulo, Josué Lopez, no sax tenor, Sidmar Vieira, no trompete, Cleverson Silva, na bateria, Felipe Pizzutiello, no contrabaixo, e Leandro Cabral, no teclado.
A produção do trombonista abrange também trabalhos com bandas de gêneros bem diferentes, como pagode, funk, hip-hop, samba, gospel, salsa e bandas de baile.
Essa versatilidade possibilitou trabalhos com o compositor e cantor Ivan Lins, o maestro Nelson Ayres, a cantora pop Anitta e o guitarrista e compositor Toninho Horta.
Além de ter participado de vários shows e da gravação do disco “Brasilidade Geral & Ivan Lins”, de 2018, o músico planeja um novo projeto envolvendo o cantor e compositor em breve. “Vou lançar um single de uma música inédita do Ivan, que ele me presenteou há alguns meses”, disse.
Na pandemia, com a escassez de trabalho, Joabe Reis trabalhou online. Montou um curso de trombone popular e gravou em seu estúdio caseiro.
Agora, o trombonista se prepara para tocar ao vivo novamente. “Rola um frio na barriga, mas faz parte.”