Política
Segunda-feira, 22 de abril de 2024

Líderes em SP minimizam prejuízo trazido por padrinhos

CAROLINA LINHARES E JOELMIR TAVARES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Para driblar o eventual prejuízo eleitoral trazido por seus padrinhos políticos, as campanhas de Celso Russomanno (Republicanos) e Bruno Covas (PSDB) pretendem mirar além das figuras de Jair Bolsonaro (sem partido) e João Doria (PSDB), enfatizando que, para a cidade de São Paulo, é importante ter boa relação com o governo federal e o governo estadual.
Russomanno e Covas são os dois primeiros na pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta (24) sobre a disputa à Prefeitura de São Paulo –com 29% e 20%, respectivamente.
Segundo o levantamento, 64% dos entrevistados dizem que não votariam de jeito nenhum em candidato apoiado por Bolsonaro, enquanto 11% votariam com certeza e 23% talvez votariam. O apoio do presidente é justamente ao que se agarra Russomanno na tentativa de não repetir o desempenho de 2012 e 2016, quando largou em primeiro e terminou em terceiro.
Rival do presidente, o governador Doria tampouco é bom padrinho. Entre os entrevistados, 59% não votariam em candidato apoiado por ele, sendo que 8% votariam e 29% talvez votariam. O resultado contradiz o discurso da campanha de Covas, de que o eleitor paulistano superou a rejeição ao governador por ele ter descumprido a promessa de ser prefeito por quatro anos após se eleger em 2016.
Entre tucanos e republicanos, porém, a postura é de minimizar os reveses trazidos pelos padrinhos e exaltar a liderança na pesquisa. Depois de Russomanno e Covas, aparecem empatados em terceiro Guilherme Boulos (PSOL), com 9%, e Márcio França (PSB), com 8%.
“Recebemos com satisfação a pesquisa Datafolha. Primeiro porque Bruno parte de um excelente patamar. Segundo, porque lidera na [pesquisa] espontânea. A parceria do governador com o prefeito é valorizada pelo eleitor, e poderemos mostrar o resultado prático”, afirma Wilson Pedroso, coordenador da campanha de Covas.
Entre os exemplos de articulação, os tucanos listam a Operação Delegada (espécie de bico oficial de PMs), integração no transporte, obras de piscinões e obras viárias, além do financiamento de programas de saúde, assistência, trabalho e habitação.
Apesar do que indica a pesquisa, membros da equipe dizem que o eleitor saberá separar Doria e Covas e que a eleição diz respeito só ao prefeito. Covas já declarou que não irá esconder nenhum de seus apoiadores -Doria deve aparecer na propaganda na TV.
Por outro lado, aliados também pretendem controlar a exposição e a ingerência de Doria na campanha.
Os tucanos seguem na linha de que a eleição não será nacionalizada e tratará de problemas locais. O objetivo, na propaganda, é comparar a gestão de Covas com as anteriores. “Acredito que a campanha não será federalizada. As pessoas querem saber se a rua está conservada, se a saúde está funcionando. O tema nacional não afeta”, diz Ricardo Tripoli (PSDB), secretário executivo na prefeitura.
A confirmação, no último momento, da candidatura de Russomanno apoiada por Bolsonaro, no entanto, transformou o pleito de 2020 em aquecimento para 2022. O Palácio do Planalto respondeu à aliança em torno de Covas, costurada por Doria e que reúne MDB e DEM, vista como ensaio da candidatura presidencial do governador.
No entorno de Russomanno, o tom nacional da eleição não é rechaçado, mas prevalece o entendimento de que o apoio de Bolsonaro será benéfico. O tamanho da oposição ao presidente foi considerado dentro das expectativas, e os aliados pinçam o fato de que mais de 30% dos entrevistados não o rejeitam. A aposta é de que Russomanno mais ganha do que perde.
Outra questão levantada é o fato de que não se sabe como Bolsonaro vai declarar seu apoio. Muitos têm a leitura de que isso só se dará no segundo turno, o que minimiza o peso do presidente. De qualquer forma, Bolsonaro vem fazendo acenos explícitos a Russomanno, como o fato de ter compartilhado um vídeo dele no sábado (19).
A campanha de Russomanno trata de exaltar a necessidade de parceria entre a prefeitura e o governo federal para garantir realizações.
Russomanno já listou, por exemplo, o compromisso com a inauguração de um colégio militar na cidade –obra que teve o pontapé inicial dado por Bolsonaro em fevereiro.
“Bolsonaro não atrapalha. O apoio do presidente é muito importante, evidentemente. Mas há um trabalho em torno da cidade, dos problemas. Há um sentimento de que Russomanno pode mudar a cidade com o apoio do governo federal, um sentimento de que é a vez dele”, diz o deputado estadual Campos Machado (PTB), que cedeu Marcos da Costa (PTB) como vice.
Tendo o ex-presidente Lula (PT) como fiador, Jilmar Tatto (PT) está em situação um pouco melhor em termos de padrinho, embora pontue 2%. O Datafolha mostra que 57% não votariam em nome indicado pelo petista, mas 20% votariam e 20% talvez votariam.
O fato de Tatto ser desconhecido para 64% dos eleitores, o que lhe dá margem para crescer, foi comemorado entre os petistas, assim como o fato de Lula ser um cabo eleitoral mais forte. O PT adotará o discurso da nacionalização.
Na mesma linha do PT, a campanha de Guilherme Boulos (PSOL) enxerga impacto nacional na eleição paulistana e, embora não conte com Lula como cabo eleitoral, acaba se beneficiando do potencial de transferência de votos do ex-presidente.