Internacional
Segunda-feira, 22 de abril de 2024

Estratégia arriscada de Johnson para Brexit ameaça acordo com UE

“Não vou recuar”, disse o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, enquanto fazia sua mais nova ameaça de abandonar as negociações do Brexit sem um acordo comercial.

Para economistas, líderes empresariais e autoridades da União Europeia, a questão é se vale a pena acreditar nele. Há muitos motivos para isso, apesar do risco para Johnson de piorar os graves danos causados pela pandemia à economia.

Primeiro, para Johnson, o Brexit é uma questão pessoal. Ele liderou a campanha para deixar a União Europeia em 2016 e depois conquistou uma ampla maioria para entregar o Brexit na eleição de dezembro passado. Concluir o processo e tirar o Reino Unido da órbita jurídica da UE no final do período de transição em dezembro seria seu legado.

Em segundo lugar, ele gosta de apostar, e algumas de suas maiores apostas foram recompensadas. Johnson se sentiu sob pressão ao avaliar se devia apoiar o Brexit em desafio ao líder de seu partido, David Cameron, mas saiu vencedor e conseguiu um lugar no gabinete como secretário das Relações Exteriores.

“Não vou recuar”, disse o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, enquanto fazia sua mais nova ameaça de abandonar as negociações do Brexit sem um acordo comercial.

Para economistas, líderes empresariais e autoridades da União Europeia, a questão é se vale a pena acreditar nele. Há muitos motivos para isso, apesar do risco para Johnson de piorar os graves danos causados pela pandemia à economia.

Primeiro, para Johnson, o Brexit é uma questão pessoal. Ele liderou a campanha para deixar a União Europeia em 2016 e depois conquistou uma ampla maioria para entregar o Brexit na eleição de dezembro passado. Concluir o processo e tirar o Reino Unido da órbita jurídica da UE no final do período de transição em dezembro seria seu legado.

Em segundo lugar, ele gosta de apostar, e algumas de suas maiores apostas foram recompensadas. Johnson se sentiu sob pressão ao avaliar se devia apoiar o Brexit em desafio ao líder de seu partido, David Cameron, mas saiu vencedor e conseguiu um lugar no gabinete como secretário das Relações Exteriores.

Recessão

O Reino Unido já enfrenta a recessão mais profunda entre as grandes economias, e uma segunda onda de Covid provavelmente coincidirá com um enorme aumento do desemprego. É aí que os votos serão conquistados e perdidos.

Mas deixar o mercado único e a união alfandegária do bloco sem um acordo em 31 de dezembro ameaçaria empresas com cotas e tarifas onerosas sobre produtos, já que o país deixaria de negociar nos termos estabelecidos pela Organização Mundial do Comércio.

O primeiro-ministro pode desistir de negociar neste ano e tentar reabrir as negociações em uma data posterior. “Nossa porta nunca será fechada”, disse Johnson. “Obviamente, estaremos sempre prontos para conversar com nossos amigos da UE, mesmo nessas circunstâncias.”

O vazamento de planos do governo para diluir partes do acordo de retirada do Brexit gerou alertas silenciosos de Bruxelas na segunda-feira e desânimo entre autoridades da UE. Não pode haver acordo comercial se Johnson quebrar suas promessas do acordo de separação anterior, disse a UE.

Fonte: Exame