Economia
Quinta-feira, 13 de junho de 2024

Hong Kong proíbe importação de frango da Cooperativa Aurora, que vai testar funcionários para a Covid-19

Terceira maior processadora de frango e suíno do Brasil, Cooperativa Aurora Alimentos, confirmou reportagens da imprensa local na noite de segunda-feira (17) que Hong Kong bloqueou as importações de sua fábrica de frangos em Xaxim, no estado de Santa Catarina, por causa de preocupações com o coronavírus.

A confirmação da proibição vem no mesmo dia em que a empresa privada concordou em testar 11 mil trabalhadores para coronavírus a partir de 21 de agosto em quatro de suas fábricas, segundo nota do Ministério Público do Trabalho de Santa Catarina.

Aurora, que na semana passada foi identificada pelas autoridades chinesas como a origem de produtos de frango com supostos traços de coronavírus, adiou um comunicado da ABPA para comentários sobre a situação e os próximos passos.

“Sobre o anúncio feito pelas autoridades de Hong Kong, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) informa que está apoiando a empresa para a apresentação de esclarecimentos”, disse o comunicado.

A ABPA reiterou que não há evidências de que o novo coronavírus seja transmitido por alimentos.

Aurora não foi formalmente notificada da decisão de Hong Kong, disse o comunicado da ABPA, acrescentando que pode recorrer à Organização Mundial do Comércio para resolver a questão, já que a proibição “carece de base científica”.

Pelo acordo entre Aurora e os promotores anunciados segunda-feira, o teste do coronavírus será feito em duas etapas com intervalos de 14 a 21 dias nas quatro instalações.

A Aurora custeará os exames pelo método RT-PCR em trabalhadores das unidades de Guatambu, Xaxim e duas unidades de Chapecó, segundo nota do Ministério Público do Trabalho. Cerca de 2.279 trabalhadores da fábrica Xaxim serão testados.

Podem ser aplicados 22 mil exames, o que representa 10% do total de exames feitos em Santa Catarina no início da pandemia, afirma o comunicado.

Fonte: REUTERS