Destaques
Quarta-feira, 19 de junho de 2024

Preços de imóveis sobem em julho e superam a inflação em 2020, mesmo em meio à pandemia

Segundo o FipeZap, imóveis residenciais tiveram alta de 0,28% em julho e de 1,4% no acumulado de 2020

SÃO PAULO – O mercado imobiliário residencial vem atravessando a crise econômica gerada pela pandemia com certo fôlego: no primeiro semestre de 2020, os financiamentos imobiliários tiveram a maior alta dos últimos dez anos e os preços subiram acima da inflação no acumulado do ano.

De janeiro a julho, o preço médio do metro quadrado no país teve alta nominal (sem contar a inflação) de 1,4%, acima da inflação de 0,46% (estimativa para o IPCA no período), segundo dados do Índice FipeZap, que acompanha os preços de imóveis residenciais anunciados para venda em 50 cidades.

Depois de avançarem 0,18% em junho, os preços aceleraram em julho, subindo 0,28%. Ainda assim, a alta deve ficar abaixo do IPCA esperado, de 0,36%, segundo expectativa do Boletim Focus do Banco Central. Ou seja, os imóveis devem apresentar variação real (resultado descontando a inflação) de -0,08% em julho, o que significaria que subiram menos do que a variação geral de preços da economia.

Eduardo Zylberstajn, coordenador de pesquisas da Fipe, afirma que o movimento de alta nos preços vem se mantendo, embora em junho o aumento tenha ficado abaixo da inflação – o que deve se repetir em julho.

“Há uma tendência de alta sendo demarcada, mas estamos falando de aumento nominal. Em termos reais ainda vemos queda de 1,15% nos últimos doze meses, o que pode gerar boas oportunidades de compra. Ainda há muita incerteza sobre o que vai acontecer e os preços vem variando de forma pouco expressiva mês a mês”, explica Zylberstajn.

Considerando julho, as maiores altas de preço foram registradas em: Brasília (+1,92%), Belo Horizonte (+0,60%) e João Pessoa (+0,51%). Por outro lado, apenas três capitais registraram queda no período: Recife (-1,72%), Campo Grande (-0,12%) e Rio de Janeiro (-0,10%). Em São Paulo, município com maior peso na variação do Índice FipeZap, a alta nominal registrada foi de 0,38%.

Zylberstajn ressaltou que mercado imobiliário é mais inercial que outros setores e, por mais que tenha acontecido um choque com aumento do desemprego e queda na confiança do consumidor, há a sensação de que a crise é passageira.

“Nenhum vendedor vai diminuir significativamente o seu preço, se tem a expectativa de que o cenário vai caminhar para a normalidade. Mas é a crise mais grave do século, ainda há desafios e está cedo para definir alguma perspectiva no longo prazo. Precisamos seguir mapeando os riscos”, disse.

Fonte: InfoMoney