Início Turismo Nova Embratur alivia teto de gastos da União e terá de brigar...

Nova Embratur alivia teto de gastos da União e terá de brigar por recursos privados

DANIELLE BRANT E THIAGO RESENDE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – A transformação da Embratur (Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo) em agência autônoma alivia o Orçamento da União. Porém, deverá obrigar o novo órgão a recorrer a recursos privados para financiar atividades.
O texto original previa que a agência tivesse como fonte de receita parte da arrecadação da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) repassada ao Sebrae (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), do Sistema S.
Seria uma forma de o Ministério da Economia retirar dinheiro do sistema, muitas vezes criticado pela equipe do ministro Paulo Guedes (Economia) por deter muitos recursos e ser pouco transparente com seus gastos.
O orçamento da Embratur para 2020 era de R$ 82 milhões, mas, desse total, R$ 40 milhões são gastos com servidores ativos e aposentados, que serão remanejados para outros órgãos.
Portanto, o espaço aberto no Orçamento com a extinção da Embratur deve ser de R$ 42 milhões -valor que estava reservado para promoção ao turismo e administração.
Segundo o Ministério da Economia, esse montante poderá ser remanejado a outros departamentos “para o atendimento de outras despesas, sem extrapolar, portanto, o teto dos gastos”.
Procurada, a Embratur confirmou que a agência autônoma não poderá usar os recursos públicos do Orçamento federal.
O governo diz que a mudança feita busca dar mais autonomia à agência e expandir o turismo internacional, com a captação de recursos privados.
Ex-dirigentes da Embratur reclamavam que o orçamento para promoção da atividade turística era muito inferior ao de países vizinhos, como Colômbia.
No entanto, economistas ouvidos pela reportagem e que não quiseram se identificar temem que a medida de retirar agências do Orçamento federal, dando status diferentes a elas, seja uma praxe do governo e, assim, seja usada para aliviar a pressão sobre as despesas públicas.
Para o diretor da IFI (Instituição Financeira Independente), órgão vinculado ao Senado, Daniel Couri, esse movimento de dar autonomia a estatais precisa considerar os benefícios para o setor.
“Se não [faz sentido sair do Orçamento], aí sim, pode ser uma forma de burlar a regra [do teto de gastos]”, frisou.
Na Câmara, o relator do projeto, deputado Newton Cardoso Jr. (MDB-MG), decidiu que a nova Embratur só receberia parte da Cide distribuída a Sesc e Senac -mensalmente, teria direito a 4% do total arrecadado junto às duas entidades do Sistema S.
No entanto, isso foi suprimido do texto aprovado na Câmara e a retirada foi mantida pelo Senado.
Segundo dados do Sistema S, a transferência provocaria uma redução de R$ 324 milhões dos recursos de Sesc e Senac, o que impactaria negativamente as atividades desempenhadas por ambos.
Sem a Cide, farão parte do orçamento próprio da Embratur recursos que a agência receber de contratos assinados com organismos internacionais e entidades públicas ou privadas, receitas de prestação de serviços que executar e rendimentos de aplicações financeiras aprovadas pelo conselho deliberativo.
Ela também contará com doações, recursos de decisões judiciais e dinheiro designado por legislação específica para a agência.
O texto aprovado também transfere recursos do Fnac (Fundo Nacional da Aviação Civil) ao Fungetur (Fundo Geral de Turismo).
Especialistas lembram que o fundo busca conceder financiamento a empresas de turismo e que, sem mudança na finalidade do Fungetur, o dinheiro dificilmente chegaria na Embratur.
Há, ainda, um outro ponto em questão, como lembra Fernando Villela, sócio da área de direito público do VPBG Advogados.
O governo já manifestou em diversas ocasiões a intenção de extinguir a taxa adicional de embarque para voos internacionais, que irriga o Fnac.
Em dezembro, o ministro Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) afirmou que o fim da taxa, cobrada de passageiros que viajam para o exterior, ficaria para 2021.
“Se isso se concretizar, a fonte de recursos da Embratur vai reduzir ainda mais”, afirma Villela.
“Ou o governo, em razão dessa alteração do Congresso, vai rever a extinção do adicional tarifário do embarque internacional, ou a Embratur vai ter um período de transição em que ela ainda vai receber o adicional tarifário que ia para o Fnac e que vai passar a ir para o Fungetur, para se adaptar a essa realidade.”
Isso será mais um motivo para que a agência busque recursos junto à iniciativa privada.
“[A agência] vai ter de ser criativa e buscar parcerias com a iniciativa privada para reforçar seu caixa.”

Rio de Janeiro

​​

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Populares

Startup acelerada pelo SoftBank avança na América Latina e mira Brasil

A startup mexicana Kavak, que atua no mercado de venda de carros usados, faz sua primeira expansão na América Latina com a...

Huck se encontra com Leite para discutir aliança eleitoral em 2022 entre autores de manifesto

JOELMIR TAVARES - O apresentador Luciano Huck (sem partido) e o governador do Rio Grande do Sul,...

WIN, a tacada do BTG no futebol

A holding que controla o BTG Pactual e o empresário Claudio Pracownik estão se unindo para criar...

O furacão Katrina

O furacão, batizado como Katrina, começou a se formar, como uma zona de baixa pressão ao norte...