Cultura
Quarta-feira, 24 de julho de 2024

‘Meu Extraordinário Verão com Tess’ aborda temas complexos com olhar infantil

LEONARDO SANCHEZ
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Durante o isolamento social causado pela pandemia de coronavírus, o streaming tem sido o fiel escudeiro de muita gente, principalmente de pais, impedidos de levar os pequenos a parques, cinemas e em outros passeios. Mas alguns filmes e desenhos podem facilmente saturar os grandinhos por serem muito infantis, e a tarefa de encontrar títulos que agradem a todos pode ser difícil.
Uma das soluções para esse problema estreou nas plataformas de streaming nesta quinta-feira (20). “Meu Extraordinário Verão com Tess” é um drama que dialoga com as crianças, ao mesmo tempo em que deve divertir os adultos pela leveza com a qual aborda assuntos complexos.
Coprodução entre Holanda e Alemanha, o filme acompanha Sam, um garoto de dez anos que, durante uma viagem de verão com a família, conhece a Tess do título. Enquanto ele inicia um treinamento de solidão –pensando que, por ser o mais novo de sua família, todos morrerão antes dele–, a menina arma um plano arriscado para conhecer o pai.
“Meu Extraordinário Verão com Tess” foi exibido no Festival de Berlim do ano passado e de lá saiu com um prêmio paralelo à competição principal. A história é uma adaptação da obra da autora infantojuvenil Anna Woltz, que chegou às mãos do diretor Steven Wouterlood graças a um parente.
“Depois de terminar alguns curtas e séries de TV, eu e meu produtor sentimos que eu estava pronto para o meu primeiro longa. Naquele período a minha tia me recomendou o livro e eu me apaixonei por ele. Eu soube imediatamente que aquela precisava ser a história da minha estreia em longas-metragens”, diz Wouterlood.
O que chamou atenção do cineasta holandês foi justamente a capacidade de “Meu Extraordinário Verão com Tess” de misturar drama e humor em uma narrativa de “aquecer o coração”.
“Eu amo esse tipo de história com temas importantes e muitas vezes complexos, mas com um tom de voz leve. Foi um dos motivos para eu me apaixonar pelo livro. E, durante os festivais pelos quais passamos, eu percebi o quão importante era mostrar esse tipo de narrativa para crianças e seus pais.”
Justamente por abordar temas difíceis de serem compreendidos pelos pequenos, como a mortalidade e a solidão, Wouterlood diz que não foi tão fácil fazer a transição das páginas para as telas. “Foi um desafio”, afirma.
“No livro você pode ler os pensamentos de Sam, sua voz interior. Em um filme você não quer usar muito voice-over para explicar as coisas, então você precisa contar a mesma história por meio de imagens. Tivemos que fazer algumas mudanças, mas ao mesmo tempo ficamos próximos do trabalho original e do tom que ele tem.”
E, com essa tradução cinematográfica, o diretor espera alcançar não só as crianças e seus pais, mas também um público mais velho. “Não há apenas um tema nesse filme. É sobre relações familiares, se apaixonar pela primeira vez, férias de verão e o medo de estar sozinho. É essa mistura que torna a trama bonita”, afirma. “São temas universais, próximos a todos, só que vistos pelos olhos de uma criança.”